A pedido do MPE, decisão anula lei que aumentou subsídios do prefeito, do vice-prefeito e secretários de Crixás do Tocantins - Jornal Porto Midia

A Justiça acatou o pedido do Ministério Publico Estadual (MPE) e declarou nula a Lei Municipal nº 360/2016, que aumentou ilegalmente os subsídios do prefeito, do vice-prefeito e dos secretários do Município de Crixás do Tocantins. A Ação Civil Pública, ajuizada no ano de 2017, alegou que o projeto de lei foi sancionado em período vedado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/00).

Segundo expõe a ação, ex-prefeito de Crixás do Tocantins Gean Ricardo Mendes Silva sancionou, em 20 de setembro de 2016, o projeto de Lei nº 002/2016, que alterou os subsídios dos referidos agentes públicos, 180 dias antes do final do mandato de prefeito, período em que a Lei de Responsabilidade Fiscal proíbe o aumento das despesas com pessoal. O aumento foi concedido para a legislatura seguinte, ou seja, 2017.

Autor da ação judicial, o Promotor de Justiça Roberto Freitas Garcia ressaltou também que o Projeto de Lei não cumpriu outros requisitos legais, ao não fazer a previsão do impacto orçamentário-financeiro para os anos seguintes nem conter declaração do ordenador de despesas de que o aumento estaria de acordo com a Lei Orçamentária Anual e compatibilidade com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Por esse conjunto de inconsistências, o aumento de despesas deve ser considerado nulo de pleno direito, também nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal.

A referida lei aumentou em 57,14% os subsídios do prefeito e do vice-prefeito e em 12% os dos secretários municipais, onerando os cofres públicos em R$ 432 mil.

O Juiz da Vara dos Feitos da Fazenda e Registros Públicos de Gurupi, Nassib Cleto Mamud, ressaltou que o ato do prefeito que autorizou o aumento dos subsídios do seu próprio cargo e do vice-prefeito, bem como dos secretários, além de desarrazoado e desproporcional, causou impacto orçamentário-financeiro do exercício 2017/2019.

Com a decisão, a lei perde sua eficácia e o Município fica obrigado a se abster de realizar pagamento de subsídios dos agentes políticos com base na lei em questão.

Responsabilização pessoal à pessoa do ex-prefeito

Em outubro de 2018, ex-prefeito de Crixás do Tocantins Gean Ricardo Mendes Silva foi condenado ao pagamento de R$ 36 mil em Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa pelos fatos apontados acima, pois teve a possibilidade legal de vetar a lei, porém optou por sancioná-la, ferindo assim princípios constitucionais da legalidade e da economicidade.

Os subsídios foram pagos com o aumento ilegal ao prefeito, ao vice-prefeito e a 10 secretários municipais nos meses de janeiro, fevereiro, março e abril de 2017.

Além de ser obrigado a ressarcir os danos impostos ao erário, Gean ficou impedido de ocupar função pública, teve os direitos políticos suspensos por cinco anos, dentre outras sanções.

Fonte / MPE-TO

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Anuncie aqui, clique aqui para entrar em contato.

Veja também

Porto Mídia - PodCast

Publicidade

300x250
Paulista
277158474_1419113205204878_6132805285539760849_n
WhatsApp Image 2022-02-24 at 15.13.31
WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.16.21

Anuncie aqui,
clique aqui para entrar em contato.

Já conhece nosso podcast?