Justiça atende pedido do MPE e condena servidor público e construtora por danos aos cofres públicos de Gurupi

Atendendo a pedido do Ministério Público Estadual (MPE), a Justiça condenou o servidor público José Henrique Marinho de Oliveira, ex-gestor do Fundo Municipal de Saúde de Gurupi, e a Formosa Construtura Ltda. por improbidade administrativa em razão de danos ao erário do município de Gurupi. A sentença foi proferida pelo juiz Nassib Cleto Mamud.

De acordo com a Ação Civil Pública proposta pelo promotor de justiça Roberto Freitas Garcia, o Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE/TO) julgou irregulares as contas prestadas por José Henrique, enquanto era gestor do Fundo Municipal de Saúde, em 2011. Segundo a Ação, o servidor cometeu uma série de irregularidades que causaram prejuízos aos cofres públicos.

Dentre os prejuízos, José Henrique deixou um deficit financeiro entre receitas e despesas de R$ 2.317.746,99 no órgão em que trabalhava, comprometendo o equilíbrio fiscal do município, além de ter deixado o cargo com contas a pagar no valor de R$ 1.750.790,06.

A Ação também ressalta que o ex-gestor realizou uma série de procedimentos, com dispensa ou inexigibilidade de licitação, em valor superior a R$ 8 mil, que é o limite estabelecido pela Lei de Licitações. José Henrique Marinho de Oliveira também deixou de recolher integralmente as contribuições patronais e de servidores ao Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores de Gurupi (IPASGU) e ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), resultando em prejuízo de R$ 810.984,41 aos fundos de previdência.

Fora isso, durante sua gestão, foram constatadas despesas no valor de R$2.282,06 decorrentes de juros e multas pelo pagamento de contas em atraso à Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins (Celtins), atualmente Energisa.

Em relação à empresa Formosa Construtura Ltda., o promotor de Justiça destacou que a entidade venceu licitação para a elaboração de projetos para construção da Secretaria Municipal de Saúde, em 2011, tendo recebido um montante de R$ 55.137,78. No entanto, constatou-se na investigação que havia grande semelhança entre os projetos entregues e assinados pela empresa com outros levantamentos feitos anteriormente por servidores do próprio município, o que configura que a empresa não executou os serviços propostos, de fato.

Diante do exposto, o juiz condenou o ex-gestor e a empresa a ressarcirem os prejuízos causados aos cofres públicos, com juros e correções monetárias, bem como ao pagamento de multa, e determinou a suspensão dos direitos políticos de José Henrique Marinho de Oliveira por cinco anos.

Por (Paulo Teodoro)

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Anuncie aqui, clique aqui para entrar em contato.

Veja também

Porto Mídia - PodCast

Publicidade

WhatsApp Image 2021-12-06 at 18.51.44
WhatsApp Image 2021-11-20 at 07.01.56
WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.16.21
271167716_1371306459985553_2769517668468713410_n
WhatsApp Image 2021-08-06 at 08.36.06
WhatsApp Image 2021-10-29 at 09.23.51

Anuncie aqui,
clique aqui para entrar em contato.

Já conhece nosso podcast?