MPTO assina convênio para oferta de trabalho aos presos da cadeia de Formoso do Araguaia - Jornal Porto Midia

Ministério Público do Tocantins (MPTO), instituições e órgãos que atuam na área de execução penal assinaram, nesta quinta-feira, 18, um Termo de Convênio visando a implantação do Projeto Social de Oficina Permanente de Trabalho na Cadeia Pública de Formoso do Araguaia, originado a partir da instauração de procedimento administrativo por parte da Promotoria de Justiça da comarca. O objetivo é implantar uma fábrica de blocos de concretos, destinada a ofertar trabalho aos condenados dos regimes fechado e semiaberto da unidade penal.

Além do MPTO, o projeto envolverá Poder Judiciário, Secretaria Estadual de Cidadania e Justiça, Cadeia Pública, Prefeitura, Câmara Municipal e Conselho Comunitário de Segurança e Defesa Social de Formoso do Araguaia (Conseg). A implantação da fábrica será possível com o aporte financeiro (para aquisição de materiais) destinado pelas partes, cabendo a cada um destes o gerenciamento do projeto dentro de sua área de atuação, ficando, ainda, sob a responsabilidade da prefeitura a disponibilização de um galpão.

A previsão é que a fábrica seja instalada no prazo de 60 dias, a partir da entrega dos materiais permanentes e de consumo. O preso que se voluntariar ao trabalho na fábrica terá o benefício da remição da pena, conforme a Lei de Execuções Penais.

O Ministério Público, por meio da Promotoria de Justiça de Formoso do Araguaia, também será responsável por fiscalizar o convênio e o programa, bem como por avaliar a concessão de benefícios legais aos apenados que tenham o direito ao trabalho.

Segundo o promotor de Justiça Rui Gomes Pereira da Silva Neto, o Ministério Público tem, entre suas diretrizes, a participação em projeto sociais que atendam às necessidades da comunidade, tendo como pressupostos a proteção e a efetivação dos direitos fundamentais. “O projeto vai tirar da ociosidade o apenado, que terá o dia de trabalho descontado na pena, e também vai colaborar com outros projetos sociais desenvolvidos no município”, explicou.

Pelo acordo, 75% da produção da fábrica serão disponibilizados ao Município de Formoso do Araguaia, que dará destinação social ao material. Os outros 25%, ficarão com a unidade prisional, que poderá utilizá-los diretamente, em permutas por materiais, em reformas ou até revendê-los, devendo a receita ser aplicada em favor da cadeia.

Assinaram o convênio o promotor de Justiça Rui Gomes Pereira da Silva Neto; o juiz de Direito Luciano Rostirolla; o prefeito de Formoso do Araguaia, Wagner Coelho de Oliveira; o presidente da Câmara de Vereadores, Robson Haritianã; o secretário de Cidadania e Justiça do Estado, Heber Luís Fidelis Fernandes; o diretor da Cadeia Pública, Miller Paulo de Azevedo; e o presidente da Conseg, Hilton Wagner da Silva.

Fonte / (Denise Soares) MPE-TO

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Anuncie aqui, clique aqui para entrar em contato.

Veja também

Porto Mídia - PodCast

Publicidade

300x250
Paulista
277158474_1419113205204878_6132805285539760849_n
WhatsApp Image 2022-02-24 at 15.13.31
WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.16.21

Anuncie aqui,
clique aqui para entrar em contato.

Já conhece nosso podcast?