PADRES E POLÍTICA: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA - Jornal Porto Midia

PADRES E POLÍTICA: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA

O filósofo clássico Aristóteles dizia: “O homem por natureza é ser político”. Com isso, ele quis dizer que a política é algo inerente ao ser humano, faz parte da sua essência, o faz um ser participativo e cívico.

De acordo com o Dicionário Etimológico, a palavra política vem do grego politikos, que significa “cívico”, “um cidadão”. Por conseguinte, deve ser entendido que a política tem a ver com a cidadania, logo qualquer cidadão de uma nação é um ser político.

O sacerdote não é um ser isolado da comunidade, ele tem todos os direitos políticos e sociais. O alerta que fazemos refere-se as ideologias de algumas siglas partidárias, porque partidos políticos têm suas ideologias e defendem os interesses de um determinado grupo, enquanto um padre deve estar a serviço de todos, independentemente de partido. “O partido político da igreja é sempre a vida, a dignidade humana, como Jesus que não teve grupo político religioso, mas empenhou-se em defender os pobres e pequenos, até as últimas consequências” (Pe. Cláudio Oliveira, 2016).

Em meio a tantas dificuldades ideológicas, cabe ao padre ajudar, incentivar  e acompanhar os leigos, ou em algumas circunstâncias participar diretamente da política para defender os princípios éticos e cristãos, pois os evangélicos já estão mais avançados nesse sentido.

Durante o exercício das atividades como sacerdote, o padre não pode ter cargo político. O cânon 287 § 2º veta aos clérigos duas coisas: uma referente a partidos políticos e outra a sindicatos: “Veta-se ao clérigo ter parte ativa nos partidos políticos, isto é, não pode ser filiado e, portanto, exercer tudo aquilo que tal filiação implica. Como, por exemplo, ter voz e vez nas decisões e eleições do partido.

Conforme o Cân. 672 a autoridade competente do religioso é o Provincial, o Superior, ou outro nome lhe é dado conforme as constituições e estatutos de cada Instituto de Vida Consagrada. Devendo-se nesse caso haver um entendimento Superior do Instituto Religioso e o Bispo Diocesano.

O Padre não perde o direito de candidatar-se. Para tanto deve se afastar do serviço de presbítero. Vemos padres que são vereadores e até prefeitos. Para isso, tem que pedir uma licença ao Bispo e no período que está exercendo este mandato, não pode desempenhar seu serviço evangelizador na paróquia.

Importante frisar que não podemos demonizar a política, ela é um instrumento para vivenciarmos grandes práxis cristãs, é um meio de transformação social, mas por outro lado, os sacerdotes são homens a serviço de todos, em busca da fraternidade espiritual. Tomar partido envolve o risco de dividir: por isso, os padres não podem intervir diretamente na ação política nem na organização social.

Reduzir a missão do padre a tarefas que são próprias do mundo civil não é uma conquista, mas uma gravíssima perda para a fecundidade evangélica da Igreja inteira. O apelo constante dos leigos, dos pobres, dos doentes, dos marginalizados, das crianças, dos jovens e das famílias testemunha isto.

A Igreja valoriza a atividade política, considerando-a como uma forma privilegiada de caridade social. Por isso, incentiva os seus fiéis leigos a assumirem suas responsabilidades no serviço ao bem comum, que é a razão de ser da atividade política.

O Papa Francisco considera a política como uma das melhores forma de exercer a caridade e o bem comum, ela tem uma força transformadora e influencia todas as camadas sociais.

Por fim, o padre é um cidadão que tem todos os seus direitos políticos e sociais, ele deve ser um grande promotor de políticas públicas, que defendam os direitos fundamentais e os princípios evangélicos, que busque cada vez mais o respeito pela dignidade das pessoas. Independentemente de atuar na política partidária, o religioso, é um formador de opinião e uma referência moral e espiritual.

O mais importante é seguir o que ensina Jesus: a busca pela justiça, a solidariedade e a verdade. Esses elementos são essenciais para todos os cristãos. Finalizo com as palavras de Pe. Frei Dr. Moacyr Malaquias Júnior, experiente, dinâmico e carismático professor de Direito Canônico: “A Igreja é perita em humanidade, ela é uma senhora já cansada, sua lentidão é sinal de prudência. Na Igreja não existe revolução, mas evolução, pois o fundamento da Igreja é Cristo e sua Palavra.”

 

Pe. Eldinei Carneiro

Natural de Santa Rosa do Tocantins

Mestre em Teologia Moral pela Pontifícia Universidade Laeteranense (Academia Afonsiana – Roma)

Mestrando em Direito Canônico pelo Instituto Superior de Direito Canônico de Goiânia-GO

Graduado em Filosofia, Teologia e Direito

Sacerdote da Diocese de Porto Nacional-TO

Vigário Forâneo da Forania de Porto Nacional-TO

Pároco da Paróquia Catedral de Nossa Senhora das Mercês de Porto Nacional-TO

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Anuncie aqui, clique aqui para entrar em contato.

Veja também

Porto Mídia - PodCast

Publicidade

277158474_1419113205204878_6132805285539760849_n
300x 250
WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.16.21
WhatsApp Image 2022-06-01 at 12.46.40
WhatsApp Image 2021-10-29 at 09.23.51

Anuncie aqui,
clique aqui para entrar em contato.

Já conhece nosso podcast?

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x