Polícia Civil cumpre mandados em operação contra funcionários fantasmas na Assembleia do Tocantins

A Polícia Civil cumpre mandados de busca e apreensão e de intimação em operação que investiga supostos funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa do Tocantins, na manha dessa quinta-feira (31). Há evidências de que pelo menos 11 servidores recebiam sem trabalhar.

Estes funcionários estariam ligados aos gabinetes dos deputados Toinho Andrade (PHS) e Amélio Cayres (SD). Um dos investigados era servidor fantasma ligado a presidência da casa de leis no período em que Osires Damaso (PSC) foi presidente.

conforme a polícia, os deputados não são investigados neste momento.

Os mandados são cumpridos por agentes da Delegacia de Repressão a Crimes de Maior Potencial contra a Administração Pública (Dracma) em Palmas e Porto Nacional, onde se concentra a maioria dos suspeitos.

Conforme a Polícia Civil, a estimativa é de que o esquema causou mais de R$ 1,5 milhão em danos.

Toinho é um dos candidatos a presidente da Assembleia e conta com o apoio do governador Mauro Carlesse (PHS). A eleição da mesa acontece no dia 2 de fevereiro.

No dia 7 de dezembro, mandados de busca e apreensão foram cumpridos na Secretaria-Geral de Governo, onde a Polícia Civil investiga a existência de cerca de 300 funcionários fantasmas. O órgão fica dentro do Palácio Araguaia e serviria para cuidar da parte administrativa do gabinete do governador, da Praça dos Girassóis e de escritórios de representação do governo.

A Operação Catarse foi criada para investigar danos ao erário público. As investigações começaram após denúncias de funcionários fantasmas do governo do Estado em Araguaína, norte do Tocantins.

Depois, mandados foram cumpridos na Secretaria-geral de Governo, no Palácio Araguaia, onde os agentes encontraram indícios de que 300 funcionários estariam recebendo sem trabalhar.

O caso chegou na Assembleia Legislativa em dezembro. Conforme a polícia, um homem é suspeito de ser funcionário fantasma no gabinete do deputado estadual José Bonifácio (PR). Segundo a denúncia, Luzymar Aguiar da Luz é funcionário do deputado desde 2011 recebendo R$ 2.354,00. Ao mesmo tempo, ele cumpre jornada de trabalho semanal de 44 horas em uma empresa privada em Araguaína desde 2005.

Posteriormente,  mandados de prisão preventiva foram cumpridos contra o chefe de gabinete e mais dois servidores do deputado Valdemar Júnior (MDB). Conforme a polícia, ele são suspeitos de estarem envolvidos num esquema de recebimento de parte de salários de servidores fantasmas. Posteriormente, grande parte deste valor seria devolvida aos envolvidos. Eles foram liberados após ficarem três dias na prisão.

O deputado e a ex-mulher dele são apontados como beneficiados no esquema.

Fonte / Sou Mais Notícias

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Anuncie aqui, clique aqui para entrar em contato.

Veja também

Porto Mídia - PodCast

Publicidade

WhatsApp Image 2021-12-06 at 18.51.44
WhatsApp Image 2021-11-20 at 07.01.56
WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.16.21
271167716_1371306459985553_2769517668468713410_n
WhatsApp Image 2021-08-06 at 08.36.06
WhatsApp Image 2021-10-29 at 09.23.51

Anuncie aqui,
clique aqui para entrar em contato.

Já conhece nosso podcast?