Procedimentos operacionais reforçados contribuem para diminuição de celulares em unidades prisionais

Revistas diárias no ambiente carcerário e a manutenção de boas estruturas físicas nas unidades prisionais têm contribuído para a diminuição do acesso aos ilícitos no ambiente carcerário. Com a dedicação dos servidores e com o aperfeiçoamento dos procedimentos administrativos e operacionais, nove unidades prisionais tocantinenses não registram ocorrência de entrada de celulares na carceragem há meses e até mesmo anos.

São os estabelecimentos prisionais de Barrolândia, Talismã, Dianópolis, Peixe, Arraias, Babaçulândia, Novo Alegre, Pedro Afonso e Formoso do Araguaia. Na Cadeia Pública de Barrolândia, a última vez que ocorreu apreensão de celular foi no ano de 2017 durante uma revista no interior da cela. Para o diretor da unidade, Leandro Oliveira de Sá, esse é um reflexo do aperfeiçoamento nos procedimentos operacionais. “A nossa equipe é muito engajada na execução e na evolução dos trabalhos. Com esse pessoal sempre disposto a melhorar, conseguimos imprimir essa qualidade de trabalho com procedimentos operacionais planejados e administrativos bem rígidos”, disse.

Outra unidade que mantém celulares fora da carceragem desde 2017 é a Casa de Prisão Provisória de Dianópolis. O chefe de segurança, Luciano Milhomem, conta que além das revistas gerais que acontecem duas vezes por mês a atenção dos agentes prisionais em cumprir os protocolos inibem a entrada de ilícitos. “Temos um cuidado muito grande com os procedimentos, principalmente quando se trata das revistas de reeducandos e de seus objetos”, disse Milhomem.

Nos procedimentos operacionais de segurança destacam-se a revista através de detectores de metais, revistas de veículos e visitantes e também os adentramentos constantes de revista da carceragem.

Outras unidades

Andrea Simão, que comanda a Cadeia de Peixe há seis anos, disse que nesse período nunca ocorreu registro de adentramento de celular no interior da Cadeia. “O nosso trabalho é bastante cauteloso, temos detectores em locais estratégicos, profissionais dedicados, as visitas íntimas são bem restritas e tudo isso culmina em bons resultados”, declarou.

Outro estabelecimento penal que tem trabalhado de forma cautelosa e inibindo a entrada de celulares é a Unidade Prisional Feminina de Talismã, a diretora da unidade, Cristiane Fraga Oliveira, relatou que não há nenhum registro de adestramento de celulares desde que o local foi inaugurado em 28 de abril de 2017.

Scanners Corporais

A chegada de scanners corporais nas unidades prisionais do Tocantins proporcionarão um controle maior sobre a entrada e saída de pessoas e objetos nas unidades prisionais, pois vai permitir uma visualização aprimorada e menos invasiva sobre o porte de objetos proibidos aos visitantes, como armas, explosivos, drogas e aparelhos celulares, diminuindo ainda mais as ocorrências de ilícitos em unidades prisionais.

Fonte/Willian Borges

Cadeia de Barrolândia, agentes, juiz e diretor observando os reeducandos

Cadeia de Barrolândia

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Anuncie aqui, clique aqui para entrar em contato.

Veja também

Porto Mídia - PodCast

Publicidade

WhatsApp Image 2021-12-06 at 18.51.44
WhatsApp Image 2021-11-20 at 07.01.56
WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.16.21
271167716_1371306459985553_2769517668468713410_n
WhatsApp Image 2021-08-06 at 08.36.06
WhatsApp Image 2021-10-29 at 09.23.51

Anuncie aqui,
clique aqui para entrar em contato.

Já conhece nosso podcast?