Professora de Porto Nacional grava documentário em chapada da Natividade-TO - Jornal Porto Midia

Localizada a 197 quilômetros da capital Palmas e próximo a cidade de Natividade _ TO, encontra-se o município de Chapada da Natividade, reconhecido como comunidade quilombola pela Fundação Cultural Palmares em 2006. Na zona rural também foi reconhecida outra comunidade, a São José.

Fundada na terceira década do século XVIII, sob a influência  da extração do ouro descoberto em suas terras, Chapada da Natividade possui uma arquitetura com casarões que marcam o estilo daquela época. Foram os descendentes de escravos que impulsionaram a povoação da cidade no final do século XVIII,nas proximidades do Posto de contagem de Chapada da natividade.

Apesar da sua fundação remontar ao século XVIII, a sua emancipação política somente ocorreu em 1º de Janeiro de 1996. De acordo com o Censo do IBGE, ano 2010, a população era de 3.277 habitantes, a estimativa para 2018 é de 3.334.

Como patrimônio histórico, a cidade possui a igreja de pedra, também conhecida como “Igreja dos Pretos” e “Igreja de Nossa Senhora do Rosário”. Segundo narrativa dos moradores, a obra foi iniciada por escravos fugidos, que se esconderam no local, entretanto foram capturados pelos feitores antes de concluírem a construção do templo. A igreja chama a atenção por sua beleza e estrutura.

A religiosidade é marcante na cidade, principalmente a católica. Anualmente, no mês de julho, são realizados os festejos do Divino Espírito Santo e da padroeira da cidade, Nossa Senhora de Sant’Anna. Os moradores explicam que a junção dos festejos deve-se à dificuldade que a comunidade possuía em encontrar padres para celebrarem as missas no mês de maio, uma vez que a paróquia era em natividade e os festejos do Divino coincidiam. Por isso, resolveram realizar os dois festejos no mês de julho.

Os festejos são tradicionais com a realização do reinado e festas do Capitão do mastro, costumes trazidos pelos portugueses para o Brasil.

Também é tradicional na comunidade a produção de bolos artesanais: bolo de arroz na palha da bananeira, trovão, amor perfeito e licores. A dança súcia e o toque de tambores estão sendo resgatados por um trabalho da equipe do Colégio Estadual Fulgêncio Nunes, possuindo como maiores incentivadores a professora Roberta Tavares de Albuquerque Menezes e o senhor Patricinho, membro da comunidade e folião, com o apoio da equipe gestora e demais professores.

Em 2016 o colégio passou a participar de uma pesquisa de Doutorado, com a professora e pesquisadora Nelzir Martins Costa (UFT- Araguaína), a qual realiza um trabalho de leitura literária de obras temáticas afrobrasileiras, distribuídas pelo Programa Biblioteca na Escola, com o objetivo de incentivar e fomentar a discussão das questões étnico-raciais na escola e assim promover a valorização e o empoderamento da cultura e da identidade negra.

A comunidade conta com uma Associação denominada Visão de Águia, a qual dá o suporte e pensa as ações necessárias para a manutenção e valorização da identidade quilombola. A associação tem como presidente a professora Edinalda Alves de Araújo Santana que vem desenvolvendo, juntamente com a sua equipe, um trabalho de relevância na comunidade.

Informações: Nelzir Martins Costa

Veja o Documentário a baixo:

Compartilhe

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Anuncie aqui, clique aqui para entrar em contato.

Veja também

Porto Mídia - PodCast

Publicidade

300x250
Paulista
277158474_1419113205204878_6132805285539760849_n
WhatsApp Image 2022-02-24 at 15.13.31
WhatsApp Image 2021-11-19 at 12.16.21

Anuncie aqui,
clique aqui para entrar em contato.

Já conhece nosso podcast?